Portal CDT/UnB - Notícia: Morre o físico e ex-professor da UnB José Walter Bautista Vidal
Acesso ao portal CDT

Esqueceu a senha? clique aqui.

Quero me cadastrar no portal

Fechar

Parcelas Disponíveis

Senha para realizar a inscrição
Fechar
Acesso ao portal CDT

Esqueceu a senha? clique aqui.

Quero me cadastrar no portal

Notícias
Últimas notícias
25
Jul

ABPES...

Morre o físico e ex-professor da UnB José Walter Bautista Vidal
04/06/2013

Cientista foi um dos responsáveis pela criação do motor movido a etanol e pela implantação do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), na década de 70

Morreu, no último sábado (1), com parada respiratória, o cientista e ex-professor da Universidade de Brasília, José Walter Bautista Vidal. Ele sofria do Mal de Alzheimer e estava internado no Hospital Santa Luzia há dez dias. "Ele já vinha com vários problemas, os órgãos foram parando aos poucos”, conta a filha Alyne de Oliveira Bautista. O corpo foi cremado nesta segunda (3), em cerimônia íntima para familiares. 

José Walter Bautista Vidal, junto com o engenheiro aeronáutico e coronel-aviador Urbano Ernesto Stumpf, inovaram na indústria automobilística brasileira ao desenvolver o primeiro motor movido a etanol. Seus estudos sobre a viabilidade do álcool como combustível levaram à criação do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), na década de 70, durante o governo de Ernesto Geisel. A iniciativa tinha o objetivo de diminuir a dependência externa do Brasil dos derivados de petróleo e suas oscilações de preço.

O pesquisador era conhecido como um grande nacionalista e referência na área de biocombustível. Acreditava que o país era o melhor lugar para a produção de energias renováveis. "A UnB está de luto, pois perde um grande pesquisador e pensador do Brasil”, disse o reitor Ivan Camargo. "Ele foi um visionário na questão da energia renovável”, completou. O professores eméritos Isaac Roitman, do Instituto de Biologia, e Aldo Paviani, do Departamento de Geografia, também lamentaram a perda. "Triste não termos o Bautista Vidal entre nós. Eu o admirava pelo seu nacionalismo e pelo seu sonho de uma nova civilização tropical”, disse Roitman. "O que eu lembro era uma pessoa extremamente preocupada com a questão de energia do Brasil. Nacionalista, defendia o Proálcool com unhas e dentes”, lembra Paviani.

Em 2006, Bautista Vidal assinou artigo em que dizia que “nada impede ao Brasil, salvo a falta de vontade política, produzir, em prazo de dez anos, 30 bilhões de litros de álcool etílico e 45 bilhões de litros de óleos vegetais que substituam o atual consumo de gasolina e óleo diesel de petróleo”. O cientista também escreveu 12 livros, entre eles: De Estado servil à Nação soberana - Civilização solidária dos trópicos; Soberania e dignidade - raízes da sobrevivência; O esfacelamento da Nação e A reconquista do Brasil, nos quais o estudioso retrata a economia do Brasil e mostra as razões de sermos dependentes de outros países. “A ideia dele era desenvolvermos tecnologia própria no país, em vez de comprarmos do exterior. Porque, como somos o maior produtor mundial de matéria-prima para vários produtos básicos, detendo a matéria-prima e detendo a tecnologia, nós seríamos uma potência”, diz Alyne de Oliveira Bautista.

Bautista Vidal nasceu na Bahia, em 1935. Formou-se em Engenharia Civil na Universidade Federal da Bahia (UFBA), fez mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado em física nuclear na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Foi diretor do Instituto de Física da UFBA e colaborou para a implantação do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Geofísica da universidade e de inúmeros centros de tecnologia pelo país. "Durante três anos, treinei os primeiros 67 geofísicos brasileiros que descobriram a bacia de Campos e criaram, para a Petrobrás, a plataforma Continental, até então considerada inviável”, disse o professor José Vidal em entrevista de 1997 à revista Carta Capital.

O professor foi conselheiro na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e trabalhou no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Também atuou como secretário de Estado de Ciências e Tecnologias nos governos de Ernesto Geisel e de José Sarney. Lecionou na Unicamp e destacou-se na UnB como o primeiro diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) no final da década de 80.

 

Fonte: UnB

 

 

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Últimas notícias
PRÊMIO TECNOLOGIAS DE IMPACTO
Data: 19/09/2017
Uma grande oportunidade para novas tecnologias e startups, confira...
Saiba mais
Decanato de Pesquisa e Inovação e CDT promovem workshop sobre saúde
Data: 11/09/2017
A iniciativa do Decanato de Pesquisa e Inovação faz parte do projeto "Grandes Temas" da UnB que tem por objetivo aproximar áreas e gr...
Saiba mais
CASE: UFC BRASIL, uma palestra sobre reposicionamento de marca aconteceu no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília
Data: 25/08/2017
Um evento completo abordando assuntos necessários para novos empreendedores, mas com um foco direcionado aos fãs....
Saiba mais
Como grandes empresas podem evitar a falência inovando com as startups
Data: 23/08/2017
Porque grandes corporações irão falir caso não se relacionem com o ecossistema de startups?...
Saiba mais
A Importância de eventos sobre inovação e tecnologias voltados para a Política
Data: 23/08/2017
O 1º Encontro em Gestão da Inovação e Transferência de Tecnologia e sua importância para o PROFNIT...
Saiba mais
Universidade de Brasília - Edifício CDT
Campus Universitário Darcy Ribeiro
Brasília - Distrito Federal
Caixa Postal: 04397 Cep: 70904-970
E-mail: atendimento@cdt.unb.br
Telefone: + 55 61 3107-4100
Fax: + 55 61 3107-4136